Conjunto Arquitetônico e Paisagístico da Fazenda da Jaguara

A Fazenda Jaguara foi um grande empório rural situado às margens do Rio das Velhas. É composta por: casa-sede, as ruínas da capela de Nossa Senhora da Conceição, a “casinha” (antiga hospedaria), “Casa da Junta”, a serraria, o engenho de serra e moinhos. Os edifícios se organizam em função da proximidade com o Rio das Velhas. Outras diversas edificações arruinaram-se ou foram demolidas. O tombamento estadual do Conjunto Arquitetônico e Paisagístico da Fazenda da Jaguara foi homologado em 1996 com inscrição no Livro do Tombo Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico e no Livro do Tombo Histórico, das obras de Artes Históricas e dos Documentos Paleográficos ou Bibliográficos.

O tombamento do Conjunto Arquitetônico e Paisagístico da Fazenda da Jaguara foi homologado em 12 de janeiro de 1996 determinando sua inscrição no Livro de Tombo n.° I, do tombo Arqueológico, Etnográfico e Paisagístico e no Livro de Tombo n.° III, do tombo Histórico, das obras de Arte Históricas e dos Documentos Paleográficos ou Bibliográficos.
A Fazenda Jaguara foi um grande empório rural situado às margens do Rio das Velhas. É composta por: casa-sede, as ruínas da capela de Nossa Senhora da Conceição, a “casinha” (antiga hospedaria), “Casa da Junta”, a serraria, o engenho de serra e moinhos. Os edifícios se organizam em função da proximidade com o Rio das Velhas. Outras diversas edificações arruinaram-se ou foram demolidas: casas de empregados, senzalas, armazém, paiol, engenhos e rancho de tropas. A Fazenda possui seus primeiros registros históricos datados do início do século XVIII, quando as terras foram adquiridas pelo Capitão-mor João Ferreira dos Santos. Entre os anos 1745 a 1754, a propriedade passou a pertencer ao Capitão-mor Francisco da Cunha Macedo e mais tarde ao Coronel Antônio de Abreu Guimarães, construtor da capela hoje arruinada. Em 1787 foi decretado o “Vínculo da Jaguara” firmado com a Coroa Portuguesa, composto de oito fazendas de propriedade do Coronel Antônio Abreu Guimarães. Esse instituto jurídico e ético determinava que os lucros das propriedades fossem destinados a ações beneficentes tanto na colônia como em Portugal. Em 1860, o vinculo foi extinto, sendo várias fazendas leiloadas para que o lucro fosse dividido entre instituições de caridade. No segundo quartel do século XX, a Fazenda da Jaguara foi adquirida pelo diretor da Mina de Morro Velho, o engenheiro George Chalmers que empreendeu melhorias e ao mesmo tempo demoliu algumas estruturas do conjunto. A capela, uma das construções mais significativas, teve seus altares, púlpitos, balaustradas e pia batismal doados à Matriz de Nova Lima.

Localização

Matozinhos - Minas Gerais

Galeria

Documentos

 
Para mais informações confira o Guia dos Bens Tombados.